Carnaval 2014 atendeu às expectativas em Bananal.

  O Carnaval 2014 correspondeu às expectativas e entra para o hall dos melhores já organizados na cidade.

  Ressalvados alguns pontos problemáticos - o maior deles a higiene nos banheiros químicos - a folia deste ano agradou o público em geral, embora existam margens para melhorias em algumas novidades oferecidas.


  O Carnaval deste ano foi um sucesso em termos de atrativos e bom ambiente para os foliões nos bailes de rua. 

  A segurança oferecida pelas policias Militar e Civil foi eficiente e até melhorou ao longo dos dias. As blitze no pórtico de entrada já demonstravam que não haveria tolerância para quem não trouxesse somente alegria para brincar em Bananal. Os dois efetivos ficaram instalados em ponto estratégico na rua Dom Epaminondas (subida à direita da Matriz) e aos poucos foram acentuando as rondas na área central. As famílias agradecem tamanha sensação de ordem e segurança.

  Com exceção da qualidade da sonorização, a infraestrutura montada pela empresa contratada pela Prefeitura para o evento foi muito boa. Deram certo a praça de alimentação com tendas padronizadas nas duas praças centrais, a extensão da cobertura na área frontal à Igreja Matriz e a inédita concha erguida na Praça Rubião Júnior.

   Concebido para proporcionar dois ambientes, a prática e o gosto dos foliões acabaram formando três salões distintos. A área coberta em frente à Matriz acabou atraindo um público e a área da Manoel de Aguiar outro, com sonorizações diferentes. A se destacar que nos dias de show ao vivo com a Banda Amuletto a área coberta ficou bem mais animada. Comprovou-se, assim, o grande talento da banda, formada em sua maioria por músicos locais. Em contraponto, a sonorização deficiente da Manoel de Aguiar, com caixas acústicas instaladas em suportes sobre a "avenida" foi um ponto negativo abafado pela alegria dos foliões. Ao melhor estilo "qualquer barulho me diverte", a deficiência foi praticamente ignorada pelos brincantes.
 
  Já em relação ao salão em forma de concha acústica instalado no Largo do Rosário ficou a sensação de que poderia ser melhor explorado. Igualmente com sonorização a desejar, o ambiente não conseguiu empolgar. Talvez porque encerrasse muito cedo, quando os adeptos de marchinhas acabavam de voltar da rua depois de assistirem os blocos. Importante registrar que ele foi equivocadamente erguido à frente do Solar Aguiar Valim, tapando um dos principais cartões postais da cidade. O certo seria instalá-lo à frente da fonte d´água, onde acabaram ficando os brinquedos de diversão para as crianças.

  Entre os ambientes festivos ficou o ponto mais negativo da infraestrutura: os banheiros químicos. A despeito da preocupação externada pela Prefeita Mirian Bruno em entrevista ao blog, o problema do mau cheiro não foi solucionado. Novamente eles foram instalados na parte da frente do pátio do Solar, quando deveriam, ao menos, ficar nos fundos. A proximidade com a rua, além da pouca privacidade dos usuários, facilmente visualizados da área de circulação das pessoas, acentuou o mau cheiro que exalava pela falta de higiene, prejudicando sensivelmente os estabelecimentos comerciais vizinhos. Trata-se de um problema crônico, que se perpetua pelas administrações municipais que insistem em tratá-lo como uma providência secundária, ao invés de encará-lo como um dos pontos prioritários. 

  Sobre os pontos altamente positivos se começa pela decoração do artista plástico André Nader que "reciclou" para melhor a temática e o material usado no ano passado, com sombrinhas multicoloridas iluminadas. Elas atraíram os flashes dos populares. Não é arriscado afirmar que não houve quem não tirasse fotografias tendo a decoração como plano de fundo.

  E sob esse ambiente desfilaram os empolgantes blocos da cidade. Cada um com suas características peculiares. Da alegria escrachada do Bloco das Piranhas à organização contagiante do Unidos da Vila, passando pela cativante exibição da Escolinha de Samba Mirim, todos souberam contagiar  e entreter o público. Unidos da Palha, Laranjeiras, Ah! Vovô, Banana Power e Nega Maluca mereceram igualmente os troféus ofertados pelo governo municipal, pois representam a tradição do carnaval local.

  Neste ano, entremeando a folia houve  o Ato Público em campanha pelo Lixo Zero e a Segurança na Estrada, a SP-247, rodovia que liga a cidade ao Sertão da Bocaina. Uma iniciativa que envolveu uma associação de moradores, a AMOVALE, e alunos de uma escola pública municipal, a Escola Profª. Zenóbia de Paula Ferreira. O evento será abordado na próxima reportagem do blog.

  Por fim, cabem elogios à uma "barbada" do nosso carnaval. A Caminhada Carnavalesca em dose dupla foi marcante e, de quebra, revitalizou as tardes carnavalescas no domingo e na segunda-feira. É um sucesso sob todos os aspectos e atrai milhares de pessoas num cortejo festivo pelo Centro Histórico. Foi a 10ª edição da Caminhada, iniciada em 2005, que se tornou mais um marco do carnaval bananalense.
 
  O fator mais relevante, após um carnaval excelente como o de 2014, é que a fórmula pode e deve ser melhorada. Mesmo os pontos negativos podem ser contornados se a organização obedecer a um planejamento prévio.

  O Carnaval de Bananal evolui a cada ano e essa evolução representa maior público e mais diversão. Por consequência, urge maior organização preventiva.

  Com planejamento, dá para chegar bem próximo à perfeição e fazer do Reinado de Momo em Bananal uma grande festa de congraçamento, movida e embalada pela alegria de milhares de pessoas.

Share on Google Plus

About Ricardo Luís Reis Nogueira

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

1 comentários:

  1. Excelentes pontuações, Ricardo! Crítico, mas sem deixar de ser agradável...

    E realmente foi o que o Carnaval de Bananal deixou esse ano, ante tantas especulações acerca de que o ocorrido na semana que o precedeu poderia torná-lo insuportável, nós foliões-cidadãos conseguimos demonstrar que Bananal é muito mais do que muitos da nossa gente insistem em enaltecer, fatos excepcionais que não devem ser tomados como parâmetros e que só denigrem ao invés de acrescentar!

    ResponderExcluir